[ editar artigo]

Revolução computacional a favor da cerveja

Revolução computacional a favor da cerveja

Imagine-se acessando um aplicativo para poder ter uma indicação de que cerveja escolher, seja em um bar ou em uma tap room, baseado em suas experiências anteriores e nos seus gostos pessoais. Você acha isso interessante?

Pois bem! Isso é possível, porém não muito aplicado para o universo cervejeiro. Você já deve ter se incomodado com as indicações que aparecem após um busca simples em algum site ou deve ter percebido que a maioria de páginas que as redes sociais indicam para você tem certas semelhanças com o que você segue. Isso é o uso de técnicas de mineração de dados, aliado à inteligência artificial, indicando para você possíveis páginas e produtos para você consumir baseado em uma análise comportamental dos rastros que você deixa na internet.

Como isso interfere no ambiente cervejeiro, hoje temos uma infinidade de aplicativos cervejeiros que geram dados sobre nós, sobre bares e sobre as cervejarias. Essa grande quantidade de dados gerados são chamados de big data, um volume grande dados que, a priori, parecem não se relacionar ou parecem não ter importância alguma; porém, através de técnicas de ciência de dados, podemos analisá-los e correlacioná-los para suporte e para uma tomada de decisão especifica, de forma a gerar não só conhecimento como também informações relevantes sobre pessoas, lugares e produtos.

Voltando aos aplicativos, os dois mais famosos são o Untappd e o Beeradvocate. Basicamente, são redes sociais em que você consegue avaliar uma cerveja que toma; comentá-la; indicar o lugar onde você tomou ou comprou, com quem você estava quando tomou; e mais uma infinidade de ações contidas em ambos.

Assim, essas ferramentas não apenas mostram quais cervejas você consome ou qual a melhor cervejaria de uma região ou pais: são uma fonte de dados extremamente rica de comportamento de consumidor – preferências, bares, características, cervejarias e comportamento sensorial do seu produto.

Já sabemos que há essa infinidade de dados à nossa disposição; mas como utilizá-los a nosso favor, seja para consumidores em geral, entusiastas, sommeliers, estabelecimentos comerciais ou cervejarias?

Através de técnicas de extração de dados, podemos organizá-los para posterior análise. Após essa extração, precisamos conhecer os dados por meio de perguntas que queremos responder – essas perguntas nos indicariam a técnica correta de mineração de dados a ser utilizada. Em seguida, utilizamos algoritmos para visualizar os dados e inteligência artificial para indicar um produto ou tomar uma decisão.

Por exemplo: quero pedir a indicação de qual cerveja beber. Uma análise de características, através das cervejas a que dei as maiores notas e um compilado das principais palavras que usei para descrevê-las, podem indicar qual cerveja de um determinado estilo será a que terá maior probabilidade de me agradar.

No caso de bares, podemos indicar quais os tipos de cerveja o público mais avalia com nota alta e qual a característica do cliente – se ele vai acompanhado, se ele fica no bar ou se tem curta estadia etc. Para cervejarias, podemos verificar as notas de um determinado rótulo ao longo do tempo, correlacionando-o à análise sentimental com que o cliente descreve o produto, a fim de mostrar o lote de maior agrado, a repetibilidade nos lotes, se uma alteração na receita teve impacto negativo ou positivo e inúmeras outras correlações possíveis.

As possibilidades são inúmeras, se aproveitarmos os dados que estão disponíveis e que são gerados o tempo todo em que estamos conectados. Essa revolução comercial já chegou através das redes sociais e e-commerces, mas pode ser aplicada em nosso cotidiano cervejeiro – seja como consumidor, produtor ou vendedor final.

Essa revolução pode beneficiar e impactar de maneira significativa o modo como vemos a cerveja hoje em dia, seja em aplicações fabris ou sentimentais, com o cliente maximizando sua experiência. Assim, com a implementação da revolução 4.0 na cerveja artesanal, garantimos o crescimento desse mercado em franca expansão.

umacervejapordia
Rodolpho Tinini
Rodolpho Tinini Seguir

Professor Universitário, Cervejeiro Caseiro e Sommelier de Cervejas. Desenvolvo trabalhos de pesquisa na área de qualidade de produtos e matéria-prima cervejeira.

Ler matéria completa
Indicados para você